<img src="https://d5nxst8fruw4z.cloudfront.net/atrk.gif?account=5DiPo1IWhd1070" style="display:none" height="1" width="1" alt=""/>

Nossos princípios no combate a ameaças virtuais

As ameaças virtuais se tornaram um problema global que se espalhou para além de qualquer fronteira geográfica. Como uma empresa de segurança de TI, a Kaspersky Lab está determinada a detectar e neutralizar todas as formas de programas maliciosos, independentemente de sua origem ou propósito.

Um dos mais importantes ativos da Kaspersky Lab no combate ao crime virtual é a Equipe de Pesquisa e Análise Global (GReAT), composta pelos maiores pesquisadores de segurança de todo o mundo: Europa, Rússia, Américas, Ásia e Oriente Médio.

Temos uma política clara sobre a detecção de malware: nós detectamos e corrigimos qualquer ataque de malware. Não existe o malware "certo" ou "errado" para nós. Nossa equipe de pesquisa tem estado ativamente envolvida na descoberta e divulgação de vários ataques de malware, com vínculos com governos e organizações públicas. Ao longo dos últimos anos, temos publicado uma pesquisa aprofundada sobre Flame, Gauss, The Mask/Careto, Regin, Equation, Duqu 2.0 – algumas das maiores operações de vigilância em massa patrocinadas pelo estado conhecidas até hoje. Para narrar as campanhas virtuais maliciosas inovadoras que têm sido investigadas pela GReAT, a Kaspersky Lab lançou um Diário de ataques virtuais direcionados.

Nós relatamos qualquer tipo de ameaça que descobrimos, não importa qual o idioma que a ameaça 'fala': russo, chinês, espanhol, alemão ou inglês. A lista de ameaças a seguir, conforme relatado pela equipe GReAT, mostra os diferentes idiomas usados em cada caso:

Entretanto, o uso desses diferentes idiomas não permite atribui-las a nenhum país específico. Traços de linguagem não podem ser considerados uma evidência confiável, pois eles podem ser fabricados e plantados deliberadamente no código do malware como pistas falsas para os investigadores. Por isso, não atribuímos ameaças a países individuais.