Educação online: dicas para professores 

10 dicas técnicas para professores sobre como tornar o ensino remoto o mais conveniente possível. 

Ninguém se planejou para a situação atual, mas por causa do COVID-19 todos os tipos de educação, em todo o mundo, transferiram pelo menos parcialmente suas aulas para a Internet. Com a readequação do ano letivo e debates sobre a impossibilidade de retomada do ensino presencialvolta a ser prioritária a questão de como o aprendizado online pode ser conduzido da maneira mais conveniente, eficaz e segura possível para alunos e professores.

Nesta publicação, apresentamos 10 dicas que ajudarão os professores a aproveitar ao máximo o aprendizado online. No entanto, acreditamos que os alunos também acharão esses conselhos úteis – pelo menos, eles estarão na mesma página que seus professores. 

1. Aprenda sobre as ferramentas que você vai usar 

Selecionar as ferramentas que você usará para conduzir suas aulas online – a plataforma de videoconferência, serviço de avaliaçõesaplicativo de mensagens e assim por diante – qual oferecerá mais flexibilidade. No entanto, sua instituição educacional pode já ter escolhido as plataformas que serão utilizadas. 

Independentemente disso, você deve conhecer os recursos e possibilidades da melhor maneira possívellendo as instruções, aprendendo sobre a interface e pesquisando na Internet os tutoriais de configuração. Por exemplo, temos um guia para usar o Zoom. 

Se sua escola ou universidade fornece acesso ao Office 365 ou ao G Suite, por exemplo, esclareça com seu administrador a lista completa de recursos que terá disponível para usar em suas aulas. É possível que você não conheça algum que seja útil. Obtenha acesso o mais rápido possível e aprenda a usar os serviços. 

 2. Entenda as regras (e as compartilhe com seus alunos) 

Sua escola ou universidade provavelmente tem diretrizes para os serviços que desejam que o corpo docente e os funcionários usem, incluindo as diretrizes para utilização. E provavelmente também existem regras que estipulam quais serviços são proibidos. Por exemplo, a instituição pode ter uma política que proíbe o uso de contas pessoais para o trabalho ou pode insistir que todos usem um determinado aplicativo de mensagens. 

Você deve conhecer todas essas regras e requisitos. Além disso, também deve ficar por dentro dos termos de uso de equipamentos fornecidos pela instituição. Você pode ter permissão para levar o laptop da escola para casa ou não. Talvez possa até jogar paciência em seu tempo livre. Vale a pena conferir.  

Por último, mas não menos importante, informe seus alunos com antecedência sobre quaisquer requisitos e restrições que os afetem também. É uma boa prática disponibilizar essas regras por escrito também. 

3. Limite suas ferramentas 

As ferramentas de TI que você seleciona para conduzir as aulas devem ser convenientes para professores e alunos. Mais ferramentas não significa necessariamente uma experiência melhor. Antes de iniciar as aulas, certifique-se de ter ferramentas suficientes para o trabalho e de que todos os participantes do processo educacional se sintam confortáveis ​​em usá-las. 

A escola pode ter acesso a muitos serviços. Isso não significa que você precise usar todos eles (a menos que sua organização exija). 

4. Defina uma senha única para cada serviço 

Se alguém conseguir burlar a senha de um dos serviços que você está usando, como a plataforma de videoconferência, você está com um problema. Mas, se você usar a mesma senha para a plataforma de notas ou relatórios, o problema fica ainda maior. 

Portanto, a regra a seguir se aplica aqui, assim como para outros serviços: Para cada conta, você precisa de uma senha exclusiva. Claro, todas as suas senhas devem ser fortes – longas o suficiente e não óbvias. Não entraremos em mais detalhes aqui; temos escrito sempre sobre. 

Não escreva suas senhas em um pedaço de papel ou guarde-as onde alguém possa encontrá-las. Se você achar difícil lembrar suas senhas, use um gerenciador de senhas especializado, como, por exemplo, o Kaspersky Password Manager.

Finalmente, se possível, evite situações em que várias pessoas compartilhem uma conta. Nesses casos, você pode não conseguir estabelecer quem fez uma alteração específica e, também, quanto mais pessoas usarem uma conta, mais vulnerável ela ficará. Afinal, uma corrente é tão forte quanto seu elo mais fraco. 

 

5. Desenvolvendo um código de conduta para suas classes 

Durante a primeira aula (ou melhor, antes dela), professores e alunos devem chegar a um acordo sobre os procedimentos de aula. Você pode concordar, por exemplo, que a câmera de todos deve estar ligada por padrão, mas apenas o microfone do professor deve estar ligado no início da aula. 

Isso é apenas um exemplo, é claro. No entanto, algum código de conduta (de preferência definido por escrito) é necessário em salas de aula virtuais, assim como em um ambiente escolar tradicional. Seguir o código torna a diretriz das aulas mais fácil para os professores e ajuda os alunos a aprender o material com menos distrações. 

Se você ministrar aulas para vários semestres ou classes, poderá realizar uma sessão de definição de regras para todos de uma vez, economizando o tempo de todos. Durante a sessão, teste ativamente o código de conduta para que o professor e os alunos compartilhem expectativas comuns para o ano letivo. 

6. Tenha um canal alternativo 

Mesmo os serviços mais confiáveis ​​às vezes apresentam instabilidades. O motivo pode estar no lado do provedor de serviços ou no nível da rede de sua instituição. Independentemente disso, você precisará de um plano de emergência. 

Para evitar reposição de aulas, descubra com antecedência qual serviço sua turma usará se a plataforma padrão não estiver funcionando. 

Por exemplo, se os alunos não conseguirem iniciar o Teams no início da aula, eles devem entrar em uma chamada do Skype imediatamente ou descobrir o novo plano no WhatsApp? 

A chave para esse plano funcionar é saber com antecedência onde se reunir nos cenários possíveis. 

7. Mantenha a pontualidade 

O aprendizado remoto, assim como o trabalho remoto, tem suas vantagens e desvantagens. Um dos contratempos é que algumas pessoas podem não perceber que outras estão esperando por elas, o que pode fazer com que se atrasem.  

Dez pessoas esperando por uma pessoa para começar a aula é uma perda de tempo inútil, por isso manter a pontualidade é fundamental. Se uma aula deve começar às 10h, comece exatamente às 10h. (É uma prática recomendada conectar-se ao serviço de videoconferência minutos antes do início da aula para garantir que tudo esteja funcionando corretamente e que todos tenham os documentos necessários em mãos. Deixe todos os retardatários se conectarem sem comentários; chegar atrasado a uma sala de aula onlinenão é tão perturbador quanto chegar a uma sala de aula física após o horário.) 

8. Proteja suas contas educacionais 

Preste muita atenção às contas que você usa para fins educacionais. Você não deve ter problemas para acessá-las, e ninguém mais deve ter suas credenciais de acesso.  

Se você é um professor(a), suas contas podem ter algum interesse para seus alunos, mas a intromissão comum de alunos (digamos, alterar notas) está longe de ser sua maior preocupação. Um invasor que obtém acesso à sua conta também pode obter os dados pessoais de outros alunos da classe, o que pode levar a consequências legais.

Se um aluno perder o acesso à sua conta, seu tempo será perdido restaurando o acesso ou criando uma nova. Eles também podem perder as informações salvas na conta. Embora não seja tão crítico quanto a perda da conta de um professor, ainda é desagradável e vale a pena evitar, se possível. Todas as contas educacionais precisam de proteção. Se o serviço permitir, ative a autenticação de dois fatores para todos. 

9. Entenda como reconhecer e-mails de phishing 

Considerando que as plataformas educacionais e os serviços de videoconferência são populares, eles interessam aos cibercriminosos. Esses invasores criam sites e e-mails com a intenção de aplicar golpes, onde roubam as credenciais de contas. 

Portanto, é importante saber distinguir as tentativas de phishing das correspondências oficiais e das mensagens que os serviços legítimos podem enviar. Os sites de phishing geralmente contêm erros, layouts desalinhados e links quebrados, mas às vezes os golpistas conseguem criar páginas de phishing que são cópias muito parecidas com as verdadeiras.  

Primeiro, observe o endereço do site na barra de endereços do navegador. Se for diferente em um caractere do endereço do site oficial do serviço, não insira nenhuma informação pessoal na página. Também recomendamos ler esta publicação sobre como se proteger contra phishing. 

10. Proteja os dispositivos 

Você precisa de uma proteção confiável em todos os dispositivos usados ​​para acessar recursos educacionais. Se o computador da escola de um aluno é atacado por ransomware, por exemplo, restaurar o computador e os arquivos pode desperdiçar muito tempo valioso. 

E se o computador de um professor ficar comprometido, as coisas podem ficar ainda mais interessantes. Algum malware pode invadir os dispositivos dos alunos. É por isso que você precisa de proteção confiável em todos os computadores, smartphones e tablets. 

 

Dicas