Como assim?! Facebook quer seus nudes

Privacidade

Já ouvimos falar de casos quando alguém (um ex por exemplo) expõe fotos íntimas de alguém na internet sem consentimento. Nem as celebridades estão imunes, já que suas imagens servem para alimentar os tabloides.

Para a maioria dos usuários, a divulgação de imagens como essa – o chamado revenge porn, ou pornografia de vingança – pode parecer o fim do mundo, e na verdade, casos assim já levaram a suicídios noticiados pela mídia.  Não é preciso dizer que essas ocorrências representam extrema violação de privacidade e não possuem espaço numa sociedade civilizada. Todavia, isso não impede que ocorram.

Por isso, o Facebook elaborou uma abordagem interessante para prevenir que fotos íntimas sejam publicadas sem o consentimento nas plataformas sociais da empresa. A ideia que está sendo desenvolvida em parceria com o governo australiano é sugerir que os usuários enviem as fotos que não querem que sejam vazadas para a própria multinacional.

Pera aí… Como assim?!

Você leu direito. Vamos aos detalhes: o Facebook planeja criptografar as imagens utilizando hashing. Se alguém envia a imagem ou a publica nas plataformas, o serviço a detecta por comparação com a codificada na base de dados da mídia social e bloqueia o post.

O comissário de segurança da Austrália contou a ABC News como o esquema deve funcionar: o Facebook irá sugerir que o usuário envie as fotos por meio do Messenger – para si mesmo. A partir do momento que for enviada, a imagem será codificada. Em seguida, se alguém tentar publicá-la, com o mesmo valor de hash, ela não se tornará visível a ninguém. A mídia social afirma que a criptografia ponto-a-ponto usada no Messenger (no aplicativo mobile, não nos desktops) garante a segurança das informações, pois excluem intermediários, e a fotografia em si não será armazenada, tornando-a imune a roubo.

Isso realmente vai funcionar?

O Facebook anunciou o programa piloto no Reino Unido, Estados Unidos, Austrália e Canadá, mas ainda não sabemos se realmente é efetivo. Por outro lado, possui potencial para se posicionar como solução para esse tipo de crime contra a privacidade. Entretanto, não podemos ter certeza de que não se tornará uma forma de bloquear a publicação de fotos públicas de terceiros. A criptografia ponta-a-ponta  não permite ao FB ver as imagens; por isso, não será capaz de aplicar algoritmos de reconhecimento para diferenciar uma fotos íntimas de comuns.

Além disso, muitas pessoas possuem reservas quanto a fornecer fotos a terceiros e em relação a segurança de qualquer tecnologia sobre a qual não sabe muito – especialmente no caso do Facebook, no qual fotos privadas de usuários já vazaram antes.

Não há uma solução melhor?  Para a maioria das pessoas existe sim:

  1. Se você tira e manda nudes ou qualquer outro tipo de foto comprometedora, não é da nossa conta. Entretanto, essas são invariavelmente um conteúdo tentador, de modo que vale repensar a ideia. Se as fotos não existem, não podem ser vazadas.
  2. Se você tira fotos como essas, as armazene offline, em um dispositivo criptografado.
  3. Se quiser compartilhar algo que possa potencialmente ser usado para humilhá-lo e feri-lo de alguma forma – ou com alguém que pode se tornar um problema, depois de um término, por exemplo – esteja preparado; você pode acabar encarando consequências difíceis. Uma vez que algo é enviado pela Internet, pode se tornar público, não importa quão seguro seja o serviço online. Há também o fator humano, e não existe algo como um sistema absolutamente seguro.