Sites corporativos abandonados causam dores de cabeça

8 fev 2019

Você sabe quem é o responsável pelo registro de domínios na sua empresa? E pode garantir que ninguém mais registrou um domínio no nome de seu negócio? Funcionários de grandes corporações nem sempre podem responder a essas perguntas com certeza. Mesmo as pessoas do setor de segurança da informação conseguem acompanhar esses detalhes. Isso gera um certo nível de caos, e pode causar problemas quando o registro de um domínio expira e alguém tira vantagem da situação.
As grandes corporações, principalmente, devem estar atentas; já que normalmente possuem mais de um departamento que precisa registrar novos domínios. Não é um exagero – já vimos dezenas de casos assim. Uma equipe de Relações Públicas precisa de um site para um projeto beneficente; o time de marketing precisa de uma Landing Page para o lançamento de um novo produto; e até o setor de P&D às vezes precisa de uma página para uma conferência ou hackathon.

Não é difícil adivinhar o que acontece quando o evento termina, o produto é lançado com sucesso, a campanha está completa: todos esquecem desses sites. Às vezes, os mecanismos de geração de leads até mesmo continuam ativos para atrair visitantes casuais. E assim continuam até que o registro expire e voltem para o mercado.

Teoricamente, as pessoas que registram um site são as responsáveis pela página, mas essas tarefas pontuais são ofuscadas por outras mais urgentes, sem mencionar a rotina diária. E muito antes de um registro expirar, as pessoas que tem o histórico da compra podem mudar de cargo ou se demitirem. E no fim do dia, um site abandonado pode simplesmente não ser digno de lembrança.

O que pode dar errado?

Um site abandonado está, na verdade, cheio de possibilidades. Primeiro, alguns indivíduos conhecidos como cybersquatters efetivamente procuram por domínios expirados. Se registram um desses domínios, podem fazer o que quiserem com um site que está afiliado a sua empresa. No passado, oferecer a URL do site de volta para a companhia – por um valor às vezes nada simbólico – era comum. Hoje em dia, é muito mais provável que tentem extorquir dinheiro colocando na página conteúdos que podem prejudicar a reputação do seu negócio, ou vender o domínio na Darknet para phishers.

É claro, uma empresa pode provar seu direito sobre um domínio para o agente de registro ou na justiça se necessário. Mas isso leva tempo, e enquanto isso, sua reputação sofre.

Outro problema possível envolve o célebre GDPR (e possíveis mudanças similares em leis locais). Se o seu site de marketing abandonado ainda estiver online e continuar coletando informações de clientes ocasionais, é melhor que esteja de acordo com a legislação vigente.

Como ficar longe dos problemas?

Para começar, atribua a alguém de TI ou de segurança a responsabilidade pelo registro de domínios. Essa pessoa precisa acompanhar todos os ativos online e ficar de olho nas datas de validade. Outros funcionários não devem registrar qualquer coisa sem que ele ou ela saiba. Se contratar um terceirizado para desenvolver e dar suporte ao seu site, não delegue a ele o seu registro.

Também vale a pena usar extensões de domínio automáticas, caso seu serviço de registro permita.

Delete informações de sites desatualizados. Mesmo que o período efetivo da sua oferta esteja claramente especificado (em letras miúdas no fim da página), não há motivos para deixar que isso decepcione um potencial cliente.