Economizar em software pode sair caro

Ameaças

Digamos que alguém queira publicar os seus vídeos de férias para mostrar aos amigos. Ao invés de pagar uma pequena fortuna por um editor de vídeo, faz uma busca por “baixar Adobe Premiere grátis” ou algo do gênero. Um dos primeiros links o leva para um site aparentemente inofensivo com um design decente, avaliações de usuários e até mesmo um formulário de feedback.
No início, tudo parece estar bem. O software é baixado, instalado e executado sem qualquer problema – e sem a exigência de chave ou código de ativação. Nosso protagonista parece ter tido sorte. Então, percebe que o computador está mais lento que o comum. Jogos que costumavam rodar sem qualquer dificuldade agora estão levando uma vida ou até mesmo travando. Outra surpresa vem no mês seguinte: a conta de luz está um pouco mais cara que o normal.

O que está acontecendo?

Softwares gratuitos com miners escondidos

Nós já alertamos sobre os perigos de fazer o download de versões “free” de programas que não são gratuitos. É uma falsa economia com consequências potencialmente desagradáveis. Por exemplo, nos últimos anos houve um pico no número de tentativas de ganhar dinheiro às custas dos fãs de gratuitos embedando miners nesses programas (para saber o que são miners, veja aqui e aqui).

Isso é exatamente o que aconteceu com o nosso herói: o editor de vídeo pirata instalou uma versão especial do miner NiceHash, configurado para minerar diretamente para as criptocarteiras dos cibercriminosos.

O inocente pão-duro está fazendo dinheiro para cibercriminosos sem perceber. Para manter o miner despercebido, os intrusos o deixam fora de vista. A janela do programa é comprimida e não é exibida entre os programas em execução. A única evidência visível é um pequeno ícone na base da tela, ao lado do controle de volume e do relógio.

Jogos e outros programas pesados começam a rodar mais devagar porque os miners usam completamente os recursos computacionais, inclusive a placa de vídeo, para minerar criptomoedas. E a conta de luz do nosso fã de versões gratuitas dispara porque é um processo que demanda muita potência; assim, o computador consome mais energia que o normal.

Entretanto, pessoas tentando evitar o pagamento de softwares premium não são os únicos que correm o risco de captar um miner indesejado. Programas genuinamente gratuitos também podem ter extras indesejados e você deve baixá-los apenas do site oficial do desenvolvedor. Recentemente, nossos especialistas descobriram uma série de sites distribuindo versões ‘free’ e hackeadas com miners. Dentre elas estavam: OpenOffice, TeamSpeak, Adobe Premiere Pro, ABBYY Fine Reader, CorelDraw, Microsoft Outlook, Microsoft PowerPoint, Microsoft Office Picture Manager e XPadder.

Como se proteger

Para evitar o compartilhamento de recursos de seus dispositivos com os cibercriminosos, siga essas regras simples:

  • Baixe todos os programas, inclusive aqueles legitimamente gratuitos, apenas de sites de desenvolvedores e lojas de aplicativos oficiais.
  • Instale uma solução de segurança confiável – como por exemplo, o Kaspersky Internet Security.
  • Habilite a detecção de riskware em sua solução de segurança.

Programas de mineração são legais para pessoas que querem instalá-los em seu computador para angariar criptomoedas. Por isso, os antivírus nem sempre bloqueiam os miners, especialmente se não conseguem determinar com precisão se os programas foram instalados pelo usuário ou por um cibercriminoso. As soluções de segurança os identificam como riskware ou como um não-vírus – softwares legítimos que podem ser explorados por intrusos.

Para mais detalhes sobre como habilitar essa função no Kaspersky Internet Security, veja aqui.