Proteja seus filhos do cyberbullying

2 jun 2015

O cyberbullying é um tipo de violência que ocorre utilizando a tecnologia digital que tornou-se um problema sério. Segundo os especialistas, 1 de cada 4 adolescentes com idades entre 12 e 17 anos foi alguma vez vítima de bullying cibernético.

cyberbullying-featured

As consequências podem ser graves: as crianças podem se recolher e ficarem introspectivos, seu desempenho escolar cai e eles podem se tornar agressivos, deprimidos ou mesmo propenso a auto-mutilação. Mas mesmo se os seus filhos enfrentam algo como isto, ainda há muita coisa que os pais podem fazer, oferecendo suporte nos momentos certos e iniciando uma discussão sobre o problema.

Nós, da Kaspersky Lab, queremos que mais pais teham consciência sobre o que é o cyberbullying, como reconhecer os primeiros sinais e como lidar com a questão. Embora a Internet seja uma rede virtual, nem todas as ameaças podem ser tratadas com uma solução informática.

Algumas coisas simplesmente não podem ser interrompidas ou proibidas, e o cyberbullying é uma dessas coisas. Mas só porque nem sempre podemos proteger as crianças contra esta ameaça não significa que não podemos ajudá-los. A Kaspersky Lab tem trabalhado em conjunto com psicólogos infantis de todo o mundo para reunir recomendações sobre como apoiar uma vítima de bullying online.

Lisa Wright, co-fundador da iniciativa educacional anti-cyberbullying Webiket.com, explica como lidar com esta problemática: “estabelecer vínculos de confiança e manter conversações de coração para coração é o primeiro passo para combater o cyberbullying. Isso deve ser acompanhdo com avaliação profissional contínua e estratégias para lidar com o problema, tanto o cyberbullying quanto com o estado emocional do seu filho”.

As recomendações incluem:

 

  1. Esteja sempre ao lado das crianças, sem preconceitos, sem julgamentos, apenas carinho e afeto. Nesta fase, eles precisam saber que não importa o que aconteça ou o que eles têm feito, você vai estar lá para apoiá-los.
  2. Não minimize o incidente. Neste momento, o que aconteceu é a coisa mais importante na vida do seu filho. Penso o quào vulnerável é seu estado emocional e que provavelmente eles não serão capazes de pensamento racional, de modo que eles saibam que você entende a gravidade da situação e que sua dor é justificada.
  3. Ainda não é tempo para a discussão racional. Não sugira que a criança pode ter provocado a situação, mesmo que seja verdade. Isso pode criar uma barreira entre os dois e levar seu filho a acreditar que você não entende.
  4. É vital a empatia genuína e que a criança entenda que você senti o que eles sentem. Explique que você tem enfrentado desafios semelhantes – talvez não na Internet, mas na vida cotidiana. Não diga que você sofreu mais ou que você encontrou força para lidar por conta própria. Parta do princípio que ele necessita de alguém que o escute e o entenda.
  5. Somente quando você ganhou a confiança do seu filho – e isso pode levar tempo e você não pode ter pressa – você pode começar a falar sobre o incidente. Não questione o que ele tem a dizer. Deixe-o tomar a iniciativa e que fale sobre isso. É importante que eles descarregue o que aconteceu.

Resumindo, Caron Mullen, especialista em ciber psicologia declarou: “Cyberbullying é uma questão complexa que requer uma abordagem multi-facetada. Uma estratégia para apoiar o estado emocional da criança é muito importante. No curto prazo, há dicas práticas para ajudar uma criança com os piores momentos de uma forma positiva, sem recorrer a ações que podem agravar o problema. O objetivo a longo prazo é ajudar a recuperar a confiança, e para isso é importantíssimo que eles se sintam acompanhados pelos seus pais. Somente desta maneira você poderá desenvolver um plano de ação em conjunto para lidar com a situação.

Como parte da campanha contra o cyberbullying, a Kaspersky Lab lançou um novo portal interativo chamado Words Can Save (A palavras podem salvar) que contém informações sobre o problema. O wordscansave.me ajudará você a entender o quão importante é estar perto das crianças e apoiá-los com as palavras certas.

Tradução: Juliana Costa Santos Dias