Lar, smart lar

Provavelmente, sua casa já contém alguns componentes inteligentes. Mas será que você pode torná-los ainda mais inteligentes para aproveitar todos seus benefícios?

Hoje em dia, não há como fugir da onda das casas inteligentes. Mesmo que você não seja um fã, está ficando mais difícil encontrar uma TV que não seja smart, enquanto os sistemas de ar-condicionado e de geladeiras estão cada vez mais preparados para conexão com Wi-Fi. Como interessado em tecnologia, provavelmente você já tem entre seus equipamentos, os alto-falantes inteligentes, as tomadas elétricas com controle remoto e assim por diante. Parte de toda essa inteligência tecnológica é apenas para diversão, mas muitos dos recursos realmente economizam quilowatts, algumas horas – e até seus nervos. Então, qual é a melhor maneira de configurar uma casa inteligente?

Duas abordagens de casa inteligente

Antes de começar a configurar sua casa inteligente, responda a estas duas perguntas:

  • Você entende por que você precisa de uma?
  • Quanto você está disposto a gastar para adaptar uma casa para que ela seja — ou se torne — inteligente?

Se você entende o porquê e está pronto para fazer essa mudança, faz sentido optar por um sistema pronto para uso: estude todos os recursos, selecione um sistema de automação integrado e compre um controlador de casa inteligente e periféricos compatíveis. E é uma boa ideia fazer isso durante as reformas ou, se possível, ainda na fase de construção.

Caso ainda não tenha experiência em casa inteligente, está alugando um apartamento ou não tem certeza se precisa de uma casa inteligente, comece com apenas algumas soluções específicas que parecem úteis para você. Depois de se familiarizar com elas, você pode pensar em adquirir um sistema mais complexo.

Vamos dar uma olhada nos prós e contras de ambas as abordagens e ilustrá-los com alguns exemplos de funcionários da Kaspersky.

Dando a partida em uma smart home

Uma casa inteligente que é projetada e construída de uma maneira planejada apresenta gerenciamento centralizado de várias tarefas domésticas, normalmente combinadas em cenários de automação. Esses cenários podem ser executados manualmente ou automaticamente, de acordo com determinados critérios. Por exemplo, ao se aproximar de sua casa de férias no inverno, você aperta um botão no telefone e a casa liga o aquecimento e as luzes da garagem, desliga o alarme e até toca música ambiente no lounge. À noite, quando o monitor de CO2 no quarto detecta abafamento, a casa liga automaticamente a ventilação e aquece o ar fresco até a temperatura desejada.

Tal sistema requer controladores inteligentes de aquecimento, iluminação, ventilação, multimídia e outros sistemas e, mais importante, um controlador centralizado que recebe comandos de smartphones, de sensores e de controles remotos dentro da casa e os envia para os dispositivos terminais. O mercado de controladores é preenchido por players de nicho razoavelmente conhecidos (Abode, Belkin WeMo, Fibaro, Hubitat, etc.), bem como por eletrônicos de consumo e gigantes de melhorias domésticas (Amazon com Echo Plus, Ikea com Trådfri, Philips Hue, etc.). Como regra, o controlador pode ser gerenciado por meio de controles remotos, smartphones e assistentes de voz, mas os fornecedores também oferecem opções de controle que usam uma rede local sem conexão com a Internet.

Normalmente, o controlador usa um protocolo de casa inteligente dedicado – como Zigbee, Z-Wave ou Thread – mas existem outros ecossistemas que dependem principalmente de Wi-Fi e Bluetooth (por exemplo, o Apple HomeKit). Opções híbridas também são possíveis (falaremos mais sobre elas abaixo). Os sensores e reguladores Zigbee, Z-Wave e Thread se comunicam apenas com sistemas dentro de casa. Eles não têm acesso à internet e transmitem por períodos muito curtos, portanto consomem pouca energia e não deixam seu Wi-Fi lento.

Também devemos mencionar o novo padrão baseado em Thread, Matter, que visa resolver o problema-chave das casas inteligentes: como integrar dispositivos de diferentes fornecedores operando em diferentes protocolos em um único sistema. Graças ao Matter, espera-se que todos os acessórios inteligentes da maioria dos líderes de mercado possam se comunicar com ajustes mínimos de configuração. Amazon, Apple, Google, Haier, Huawei, IKEA, Legrand, LG, Lutron, Midea, Oppo, Samsung, Schneider e Somfy anunciaram o suporte ao Matter, o que é um bom presságio para seu futuro. Mas as especificações foram aprovadas apenas no verão passado, então uma ampla gama de dispositivos Matter só deve chegar às lojas no final de 2023. Dito isso, alguns dispositivos já receberam a promessa de uma atualização de software para Matter, como o novo hub Dirigera da IKEA. Portanto, se sua casa está apenas sendo construída e a eletrônica (e a fiação nas paredes) não será concluída até o final do ano, lembre-se do Matter. Se você ou a casa não puderem esperar tanto, então você terá que optar por uma solução técnica mais antiga.

Além da automação conveniente, uma abordagem integrada para construir sua casa inteligente significa que as frequências de rádio são menos congestionadas por uma infinidade de dispositivos Wi-Fi, como lâmpadas inteligentes que operam de maneira não coordenada. Além disso, os problemas de cibersegurança da casa inteligente podem ser resolvidos centralmente no nível do controlador. Por fim, você economizará dinheiro a longo prazo por meio do uso mais eficiente de recursos (como aquecimento, água e eletricidade).

Os contras dessa abordagem são o reverso dos prós. Primeiro, você terá que descobrir com antecedência o que construir em sua casa: grupos de iluminação, zonas de controle de temperatura, sistemas de ar-condicionado, sensores para tudo… Em segundo lugar, você precisa se preparar para uma grande conta inicial: a maioria dos equipamentos terá que ser comprada simultaneamente.

Finalmente, uma nota sobre os riscos associados à psicologia dos diferentes membros de uma família. Se alguém na casa for tecnófobo, terá dificuldade para entender o funcionamento da casa inteligente. Para contornar esse problema, serão necessários interruptores e controles físicos que duplicam suas contrapartes inteligentes. Algo como um assistente de voz também é desejável. Aliás, interruptores físicos virão para o resgate no caso de uma grande falha de automação ou de ciberataque.

Alex:

Planejei minha casa inteligente quando estava reformando. Existem oito zonas de piso radiante, seis radiadores e 32 fontes de luz – todas podem ser controladas localmente, sem conexão com a internet. Originalmente, projetei o sistema para ser o mais invisível possível para nós que moramos aqui, além de ser acessível para hóspedes que não estão acostumados com casas inteligentes. Entre os recursos estão o controle de ar-condicionado e ventilação, vários cenários de iluminação, sensores de movimento para ligar e desligar as luzes, sensores para vazão de água (que desliga a água se detectado) e controle total de voz. Estamos todos totalmente à vontade para operar a casa inteligente, e as crianças pararam de usar os interruptores de parede e controlam a casa apenas por voz.

Casa inteligente em etapas

Também é possível construir sua casa inteligente peça por peça, passo a passo. Ao fazer isso, os dispositivos obrigatórios incluem coisas como TVs inteligentes, alto-falantes inteligentes com assistente de voz, aspirador de pó robô, babá eletrônica, campainha com câmera de olho mágico, tomadas Wi-Fi e luzes ajustáveis ​​de brilho e cor. De acordo com nosso relatório, alto-falantes inteligentes (24%) e sistemas de vigilância por vídeo com Wi-Fi (20%) são atualmente as peças mais comuns do kit inteligente de entrada.

Faz sentido adotar o padrão smart quando você precisa da função básica do dispositivo de qualquer maneira, como uma TV ou uma câmera de olho mágico. Ao fazer sua escolha, leia atentamente todos os recursos inteligentes e pense nas situações cotidianas em que eles podem ajudar. Se tudo parecer bom, confira as avaliações de outros compradores: talvez algum recurso não funcione tão bem assim.

Alexander:
Primeiro, comprei lâmpadas inteligentes da IKEA, um alto-falante inteligente com assistente de voz e um interruptor Mi Home. Em seguida, adicionei um emissor de infravermelho ao Mi Home para controlar o ar-condicionado. Também comprei um monitor de qualidade do ar com sensor de CO2 que, como descobri, não se integra a nada. Acabamos desligando as lâmpadas e o alto-falante inteligente, enquanto o controle remoto inteligente do ar-condicionado se mostrou o mais útil.

O melhor das soluções inteligentes individuais é que elas funcionam imediatamente – sem necessidade de configuração. Na maioria dos casos, elas se comunicam via Wi-Fi com os servidores em nuvem do fornecedor e são controlados por um aplicativo proprietário em seu smartphone, sem a necessidade de desembolsar controladores adicionais.

As desvantagens, infelizmente, também são consideráveis.

  1. Quanto mais dispositivos inteligentes você tiver, mais difícil será gerenciar cada um deles a partir de um aplicativo separado.
  2. Combiná-los em cenários é altamente problemático. Algumas soluções podem ser integradas ao Apple HomeKit ou Amazon Alexa, mas a operação perfeita não é garantida.
  3. Vários dispositivos Wi-Fi poluem as ondas de rádio, podem interferir uns nos outros e diminuir a velocidade dos dados para tarefas importantes de rede – como jogos ou videoconferências.
  4. Cada dispositivo autônomo conectado à Internet cria novos riscos de segurança. Por exemplo: câmeras de vigilância são acessíveis a pessoas de fora; os hackers podem conversar com familiares por meio de uma babá eletrônica; um controle remoto de smart TV pode espionar você; lâmpadas inteligentes podem ser usadas para lançar ataques DDoS; e um aspirador de pó robô pode tirar fotos de você. Esses problemas podem ser parcialmente resolvidos por meio de configurações corretas, que abordaremos em um post separado.

Olga:

Compramos um alto-falante inteligente (Yandex.Station) e alguns dispositivos Aqara. Eu pensei que isso seria divertido, mas que não valeria o dinheiro. Estava totalmente enganada: ficou muito prático! Podemos ligar e desligar as luzes, a máquina de café e o alarme por voz. E estamos sempre conversando com o alto-falante inteligente, pedindo previsão do tempo ou música.

Soluções híbridas

Alguns fornecedores gostam de esconder todo um exército de dispositivos construídos em diferentes tecnologias sob um nome comum. Um exemplo notável é a Xiaomi, que fabrica umidificadores e aspiradores que ficam online de forma autônoma, bem como lâmpadas habilitadas para Zigbee. É uma história semelhante com o Apple HomeKit, que usa uma variedade de tecnologias para controlar dispositivos a partir do aplicativo Casa: Wi-Fi, Bluetooth, controle por meio de um hub doméstico oculto na Apple TV, integração com hubs Zigbee como Philips Hue e suporte para o novo protocolo Matter.

Há definitivamente uma vantagem nisso: você pode comprar e usar o dispositivo separadamente e, em seguida, integrá-lo ao sistema de automação geral. A desvantagem da abordagem híbrida é ter que pagar novamente por tecnologias duplicadas em diferentes dispositivos, sem falar novamente nos riscos de segurança, mau funcionamento e obstrução das ondas de rádio.

Outro ponto importante é o bloqueio do fornecedor: com Apple ou Xiaomi, é um pouco mais fácil “aumentar” sua casa inteligente a partir de soluções diferentes. Mas se de repente você precisar de um dispositivo que não esteja na linha de produtos do seu fornecedor, conectá-lo à sua casa inteligente será um grande problema.

Pior ainda é se o fabricante dos componentes de sua casa inteligente mudar radicalmente sua estratégia ou sair do mercado, parando de oferecer suporte a serviços online ou lançar atualizações, o que sabemos que acontece. Essa é outra razão pela qual é importante que os dispositivos tenham métodos de controle alternativos, por exemplo, interruptores físicos.

Ilya:

Livrei-me dos meus recursos de casa inteligente Wi-Fi porque eles não funcionavam sem a internet. Eu mudei para gateways Zigbee. Também abandonei a Xiaomi em favor da Tuya devido a problemas de compatibilidade para diferentes regiões. O novo sistema permitiu interruptores bidirecionais inteligentes, para que você possa controlar a iluminação em longos corredores de qualquer lugar sem religação. Também temos cortinas inteligentes que fecham automaticamente quando as luzes se acendem ou escurece, e tomadas inteligentes facilitam o desligamento do ferro, mesmo que você não esteja em casa.

O que é útil e o que não é?

Infelizmente, poucas pessoas serão capazes de descobrir com antecedência quais recursos domésticos inteligentes realmente precisam e quais serão divertidos por algumas semanas. Como mostra a experiência de nossos colegas, alguns usuários, por exemplo, não precisam de controle de voz, enquanto outros não podem viver sem ele. Planeje o orçamento e a implementação de sua casa inteligente para que nenhum cenário o atinja com força no bolso ou no conforto: por exemplo, ao planejar o controle centralizado de iluminação e aquecimento, não se esqueça dos bons e velhos interruptores manuais. E, claro, prepare-se para proteger sua casa inteligente de ciberameaças – fique atento para mais detalhes sobre isso em um outro post…

Dicas

Como proteger a segurança doméstica

As empresas de segurança oferecem tecnologias inteligentes, principalmente câmeras, para proteger a casa contra roubos, incêndios e outros incidentes. Mas que tal proteger esses sistemas de segurança contra intrusos? É o que faremos para preencher essa lacuna.