Os perigos e dilemas dos carros autônomos

24 set 2016

A palavra automóvel significa algo que se move por si. Ao longo de sua história de mais de um século, automóveis evoluíram,  tomando o espaço de locomoção dos seres humanos. Há muitos anos, a partida era dada com uma manivela. Detalhes como direção automática, piloto e freio automático surgiram mais tarde.

dangerous-robocars-featured

Agora, testemunhamos a emergência de carros completamente automáticos. Do ponto de vista de hardware,  não há nada particularmente complexo sobre esses veículos. As rodas, o motor, o volante, os freios – são como quaisquer outros.

Câmeras embutidas de olho na estrada e nos outros carros não são novas. Detecção de placas de trânsito e dispositivo de navegação por satélite estão disponíveis até em modelos mais comuns.  Carros já amplamente disponíveis no mercado também podem detectar falhas na via: baseados nesses dados,  por exemplo certos modelos Mercedes adaptam suas suspensões, fazendo com que o carro “flutue” pela estrada.

Há apenas um obstáculo técnico no caminho do futuro dos carros autônomo: um software capaz de gerenciar todos os sistemas de modo a substituir um motorista humano. Contudo, é nesse ponto que residem os desafios, e nem todos dizem respeito a tecnologia.

O mundo já está familiarizado com o potencial de um desastre com carros como esses: um Tesla com uma falha no sistema de detecção,  que não foi capaz de perceber um caminhão no meio do caminho.  A pessoa no banco do motorista não estava consciente da situação,  talvez estivesse vendo um filme na hora do ocorrido. De quem é a culpa nesse acidente?  O motorista do caminhão?  Ele devia ter gritado para que o Tesla não entrasse na frente.  O dono do Tesla? Mas ele não estava dirigindo.  A montadora? A empresa também não estava no volante.

Outro cenário: Imagine um acidente inevitável,  o qual o computador de bordo reconhece como tal, como uma criança que entra na estrada.  Seguindo as regras de segurança,  o motorista deve pisar no freio sem mudar de direção. Isso significa que o piloto automático atropelaria a criança, já um condutor humano, provavelmente, viraria o volante depois de pisar no freio, atingindo um poste, por exemplo. Essa situação,  consiste em um cenário menos pior,  já que o motorista poderia ser salvo por airbags.

Outra situação: um cavalo que entra na estrada. Segunda as regras, a melhor opção é acertar o cavalo, o que causaria muitos danos a todos no carro (e ao próprio animal). Normalmente, um motorista esquivaria do cavalo, voltando a sua faixa em seguida. Se tudo der certo, o motorista continua seu caminho, na pior hipótese o carro pode sair da estrada ou bater no meio fio, mas sem grandes impactos.

Soluções
Como devemos resolver esse problema? Afinal, motoristas precisam tomar dezenas de decisões quando no controle de um carro. Poderíamos tornar o computador de bordo mais inteligente: capaz de distinguir objetos, considerar variáveis distintas, e dessa forma capaz de resolver alguns problemas diferentes de situações comuns em estradas. Caso se depare com um objeto similar a um cavalo, o carro poderia realizar a manobra. No caso da criança, poderia escanear os arredores de modo a garantir que não há pedestres, com o objetivo de encontrar algo com que seja menos perigoso colidir.

Com algoritmos suficientes, carros podem de fato se tornar autônomos. Contudo, não é tão simples assim.

Dê uma olhada nos resultados de uma pesquisa da Cognitive Tecnologies, empresa que projeta sistemas de carros autônomos. O legal da pesquisa é que foram mais de 80000 pessoas entrevistadas, de 47 regiões diferentes da Rússia.

Os resultados mostraram que no caso de um pedestre que entrasse de surpresa na frente de um carro e se um carro invadisse a faixa oposta, apenas 59% dos motorista responderam que jogariam o carro para fora da faixa para evitar uma colisão. Surpreendentemente, 38% disseram que atropelariam o pedestre. 3% disseram que manobrariam de encontro ao outro carro, de certo na esperança que esse saísse da frente.

Se diversos pedestres entrassem na direção dos condutores entrevistados, 71% responderam  que sairiam da pista, e 26% afirmaram que acertariam o grupo de pedestres.

O curioso, é que caso fosse um cachorro na pista, 55% respondeu que atropelaria. Outros 40% afirmaram que puxariam o freio de mão, o que poderia resultar em um engavetamento com os carros de trás.

Outra pesquisa, essa feita por pesquisadores americanos, emitiu resultados ainda mais estranhos. De acordo com o relatório, as pessoas acreditam que o carro deveria priorizar a vida do pedestre, ao invés da vida do motorista. Quanto mais pessoas compõem o grupo de pedestres, mais essa decisão parece justa.  Por exemplo, se 10 pessoas atravessam uma pista subitamente, 76% dos entrevistados disseram que o carro devia salvá-los e matar o motorista.

Contudo, essa postura nobre sumiu quando a família foi colocada no meio. Apenas 19% continuaram com a mesma postura ao serem questionados se comprariam um carro autônomo que matasse o motorista e sua família para salvar um grupo de estranhos aleatórios.

A conclusão é clara: as pessoas acreditam que a decisão do carro automático deve se basear em suas próprias decisões a frente de uma situação hipotética.

O que o fabricante deve fazer? Nem todo mundo aceitaria de bom grado a programação de um algoritmo como esse, o que significa processos judiciais resultantes de acidentes. Contudo, se os donos recebessem a missão de programar seus carros, eles poderiam deixar o sistema vulnerável contra hackers.

Tendo tudo isso em mente, penso que carros autônomos do futuro (e acho que eles aparecerão de qualquer jeito) tornarão o conceito de propriedade para carros inviável. No lugar, carros autônomos pertenceriam a empresas de transporte, de modo que qualquer um poderia pegar uma carona por meio de um aplicativo, à la Uber.

Esse tipo de abordagem diminuiria significativamente o número de carros necessários para transportar um mesmo número de pessoas donas de carros. Muitos problemas seriam atenuados, como engarrafamentos, falta de estacionamento, e taxistas bizarros péssimos de volante e cheios de anedotas.

Pedestres poderiam se equipar com faróis (como roupas com faixas fluorescentes, as quais pedestres europeus são obrigados por lei a vestir depois de anoitecer), de modo a eliminar a escolha entre atropelar um pedestre e matar o motorista. Um problema a menos, muitos ainda sobrevivem.