28 jul 2017

Kaspersky 20 anos: sem parar de crescer

Notícias Projetos Especiais Videos

Chegamos aos 20 anos no mercado – muito tempo ou nem perto disso? Que tal 25 anos de desenvolvimento tecnológico contínuo? (Incluindo os cinco anos antes da formalização da KL)

Para responder essa questão, precisamos nos perguntar a idade da indústria de cibersegurança. Bem, o primeiro antivírus apareceu há 25 anos.

Isso significa que somos um dos desenvolvedores que criaram a cibersegurança! Estamos na indústria desde sua infância e continuamos até hoje, na era do big data e do aprendizado de máquina. Isso são 20 anos na vanguarda desse setor (modéstia à parte, é nosso aniversário).

Correndo o risco de parecer arrogante: pense em todas as ciberameaças que impedimos nesses 20 anos!

Claro, nunca há apenas uma versão da história. Isso não é diferente quando falamos da Kaspersky Lab.

Podemos olhar fotos dos nossos dias em um passado distante, relembrar os erros inocentes e decisões desinformadas, nossos cabelos brancos no espelho, linhas profundas no rosto e lá vai melancolia…

Por outro lado, olhando essas mesmas fotos, poderíamos simplesmente sorrir, admitir que as duas primeiras décadas não foram tão ruins para quem estava apenas começando. Tudo é percepção: você irá se concentrar nos problemas ou nos sucessos? Bem, não é preciso ser um gênio para saber do que falaremos aqui. É assim que fazemos aqui na KL: pensamos positivo. Esperamos que sirva de inspiração para você, querido leitor, fazer o mesmo.

Para o aniversário da KL, pensamos bastante sobre como poderíamos passar uma mensagem inspiradora e visual, e claro, mantendo a narrativa de nossa história (sempre com ética e prezando pela verdade dos fatos). Eis nossa proposta: vamos dar uma olhada nos aspectos curiosos da empresa ao longo dos anos – como era nos velhos tempos, o que mudou para sermos o que somos hoje, e prospectar o futuro.

Vamos começar com nosso escritório

Se voltarmos ao começo – início dos anos 90, mudamos de local seis vezes.

Aqui, por exemplo, estamos no epicentro do desenvolvimento de um dos melhores antivírus do mundo, ainda em 1994. Esse era nosso escritório inteiro! O registro como “Me Lab”, foi três anos depois, mas ainda assim, era nossa casa. Na verdade era parte da KAMI company, que produzia soluções de software e hardware na década de 90.

Inclusive, foi o primeiro ano, 1994, em que participamos de testes da Universidade de Hamburgo – uma vitória arrasadora e inesperada. Na foto acima, os sorrisos se sobressaíram à exaustão depois da notícia.

Hoje, estamos no nosso escritório QG em nosso novo business park, entre o centro de Moscou e o aeroporto internacional de Sheremetyevo.

Então sim, que mudança! 23 anos fazem a diferença! Mas uma coisa é inegável sobre nosso antigo escritório: era aconchegante. Uma versão moderna e espaçosa nunca conseguirá se igualar nesse aspecto. A cantina também era excelente.

Viagens a negócio

Não foi o acaso que nos colocou a 15 km do SVO. Quando você tem diversos colaboradores saindo em viagens de negócio e um CEO que não sossega, sem falar no pessoal chegando diariamente. Temos também os valiosos clientes internacionais, parceiros, delegações governamentais, trata-se apenas de senso comum logístico montar nossa base próxima de um hub internacional.

Não foi sempre assim. Antigamente não tinhamos tantos KLers, e, portanto, as viagens internacionais não eram tão frequentes. Por isso, não importava estarmos próximos ou não de um aeroporto. Ainda sobre viagens de negócio, essas mudaram drasticamente. Atualmente, temos hotéis de quatro ou cinco estrelas – cada um com seu quarto!  Classe executiva para os diretores, e diversas outras comodidades. Antigamente: os hotéis tinham de 2 a 3 estrelas com esse mesmo número de KLers por quarto (!), com classe econômica para todo mundo. Não que fizesse uma grande diferença, pois estávamos ocupados demais pensando sobre questões relevantes – como salvar o mundo e construir a melhor cibersegurança possível. Quem liga para a varanda do quarto?

Nos dias de hoje, insisto na classe executiva. Quando você tem uma agenda internacional apertada como a minha, a econômica apenas atrasa os compromissos. Na executiva, você pode relaxar e dormir apropriadamente, estar pronto para fechar negócio quando chegar.

Quanto ao hotel, não ligo para quantas estrelas ele tem. O que não pode faltar: cama, chuveiro, WiFi, não ter baratas ou vizinhos barulhentos, além de ser próximo das minhas reuniões. Qualquer outra coisa, em minha opinião, é supérfluo.

Depois das viagens de negócio…

… Congressos e similares

Até metade dos anos 2000, íamos um de cada vez para representar a KL nas exposições – estou falando de todos os diretores e chefes de departamento. Tenho bastante saudades desses dias. Contato direto com usuários é uma forma de sair dos problemas e rotina, e claro, conseguir ouvir o que o cliente quer. Todo mundo na linha de frente: chegávamos alguns dias antes do evento para organizar nosso estande, preparar os brindes e catálogos, e irmos ao escritório de imprensa… e claro, obter “suprimentos“. 🙂

Esses eventos são bastante específicos, pensados em seus mínimos detalhes por especialistas de empresas. Os estandes são ocupados por Klers de escritórios locais, além de convidados de agências que atuam como porta de entrada para visitantes (profissionais de gerenciamento, vendas, marketing, RP,  analistas de relacionamento, ou outros departamentos).

Já que estamos falando de exposições e convenções, preciso mencionar os discursos. Minha primeira grande fala em público foi na Conferência Vírus Bulletin em 2001, que possuía uma audiência multinacional assustadora.

Bem, era assustadora para mim naquela época, naquele palco, mas provavelmente só havia 150 pessoas! Não lembro bem do que estava falando -estava nervoso e falando em inglês. Meu cérebro estava próximo do superaquecimento – o sistema de resfriamento era insuficiente para a RAM trabalhando em capacidade máxima. Não sei como consegui, mas fui: depois o público deu feedback positivo. Ufa! Trabalho concluído! Mais detalhes da apresentação naquela VB-2001 – aqui.

Naquele tempo, eu também não gostava de voar -nem um pouco. Ficava desconfortável, sem saber quem era o piloto ou em quais condições estava o avião. Depois de dois anos a fobia sumiu. Como eu conseguiria lidar com a necessidade de estar em quatro países em quatro dias naquele tempo? Ah, e meu nervosismo de falar em público também desapareceu. Faça o que você teme! Na última década, posso dizer que me sinto bem em viajar de avião e falar para grandes plateias, como essa:
Muitos motivos para festejar

Ninguém suporta só traballhar sem diversão, não é? Trabalhamos intensamente e festejamos da mesma forma. Sempre fomos assim, e não vamos mudar.

2016:

1998:

Hmmmm. Poderia passar dias aqui falando dos últimos anos.

Assim como, abordar a evolução das nossas conferências de parceiros, das caixas de nossos produtos, ou dos nosso perfil corporativo (vendas, número de clientes, colaboradores, escritórios e parceiros regionais, produtos e serviços…) – tudo isso aumentou/se modificou além das nossas expectativas.

Tudo mudou? Na verdade – não é bem assim. Pelo menos uma coisa continua a mesma…

Seguimos trabalhando duro. Como sempre, e isso não vai mudar. Apesar das dificuldades e do cansaço, e a qualquer hora, noite ou dia. Amamos desafios – especialmente os mais complexos.

Trolls de patentes? Lutaremos contra eles até o fim! Lembre-se: você alimenta o troll uma vez, ele volta.

Uma empresa monopolista contra empresas independentes? Não sentaremos e aceitaremos injustiças – iremos aos órgãos de regulação de mercado para impedir esse tipo de postura.

Pressão geopolítica e estatal por sermos bons demais? Continuaremos seguindo nossos ideais: proteger contra ciberameaças não importa onde ou o quão “boas” sejam as intenções por trás. Já fazíamos isso há 20 anos durante a explosão global dos malware, e não vamos parar de fornecer a melhor solução de segurança para usuários domésticos, computadores e dispositivos, redes corporativas e infraestrutura crítica.

Paixão canalizada em uma missão humanitária, focada em resultados práticos, dando o nosso melhor. Para mim isso se tornou a fórmula de sucesso da KL. Pense grande, faça algo genuinamente útil, doe-se e divirta-se. Continue, e o resto que vem junto (como todas as coisas boas mencionadas acima) serão bônus. Saúde!