Pagamento via celular é seguro?

Tecnologia

Há anos, os smartphones combinam as funcionalidades de telefones, câmera, tocador de música, passe de transporte público e até mesmo carteira. Naturalmente, isso faz com que qualquer um se pergunte sobre a segurança. Vamos descobrir como protegem as informações valiosas dos usuários e como funcionam os principais mecanismos de segurança – um chip minúsculo, chamado Secure Element.


Conheça o Secure Element

Um chip especial migrou de cartões de pagamento sem contato para os smartphones. Você pode já ter ouvido falar do padrão EMV (Europay, MasterCard, Visa), o mais confiável hoje. Com ele, seus dados são armazenados em um microchip protegido virtualmente impossível de hackear. Por isso que cartões EMV são chamados de “cartão com chip.”

O Secure Element no celular é essencialmente o mesmo chip dos cartões de crédito. Possui sistema operacional separado (sim, cartões de crédito possuem SO próprio e executam programas). Suas informações são armazenadas nesse chip, impossível de ler ou copiar mesmo pelo sistema operacional de um celular ou tablet, muito menos por apps nesses dispositivos. O Secure Element funcionará apenas com apps especiais e confiáveis, como carteiras virtuais selecionadas.

O chip se comunica diretamente com terminais de pagamento, então até um celular infectado por malware ou hackeado não pode interceptar a informação, pois os dados não são transmitidos ao sistema operacional principal.

A carteira no celular: o começo

A ideia de combinar o celular com um cartão de crédito é antiga. Os primeiros modelos com o Secure Element foram instalados em celulares de teste, embora nunca tenham se popularizado. Uma empresa chegou a inventar um método de imitar a tarja magnética com um dispositivo; mas os celulares tornaram-se competição expressiva para cartões plásticos apenas recentemente, em 2014, com o lançamento do Apple Pay.

O sucesso despertou o interesse dos concorrentes. Em 2015, a Samsung começou a ofertar serviço similar. Ambos os sistemas requerem o Secure Element (por isso iPhones antigos e modelos mais simples da Samsung não possuem pagamento contacless).

Numa tentativa de melhorar a funcionalidade, a empresa coreana até adquiriu a LoopPay, mesma empresa que desenvolveu a imitação de tarja magnética. Muitos meses depois, o Google trouxe o Android Pay (renomeado para Google Pay no início de 2018).

Cinco dicas para evitar malware no Android

Secure Element – embutido, externo ou na nuvem

Na verdade, o Secure Element não tem de estar fisicamente dentro do smartphone. Pode ser removível – por exemplo, um cartão de memória. Alguns operadores até produzem cartões SIM capazes de armazenar informações de cartão de crédito e passe de transporte público. Mas essas opções não se tornaram populares.

O Google, diferentemente da Apple e Samsung, produziu de forma prioritária softwares para dispositivos móveis e não os próprios dispositivos. Por isso que os sistemas de pagamento encontraram muitas dificuldades no início. No começo, a maioria dos celulares Android não possuía chips Secure Element. A empresa não forçaria fabricantes independentes a instalarem chips seguros, nem obrigaria usuários a comprarem um cartão novo. Sem falar que não podia implementar pagamentos contacless sem o Secure Element.

A primeira vista, o Google tentou encontrar uma forma de instalar a wallet em cartões SIM com o Secure Element; entretanto, operadoras de celular americanas – Verizion, AT&T e T Mobile – recusaram a parceria, e promoveram seu próprio aplicativo, chamado inicialmente de Isis Wallet, renomeado depois para Softcard por considerações políticas. No fim, o Google adquiriu o sistema.

Entretanto, antes que isso ocorresse, a empresa inventou uma solução mais elegante para o problema. Embora celulares Android não possuam chips seguros instalados, os virtuais foram criados na nuvem. A tecnologia foi chamada de Host Card Emulation (HCE).

Esse sistema pautado na nuvem era diferente das carteiras com o Secure Element embutido em um aspecto importante. O HCE requer que o terminal de pagamento se comunique com o SO do aparelho. Esse, por sua vez, precisa contatar o Secure Element da nuvem, no qual a informação de pagamento está armazenada, bem como com um aplicativo confiável.

Especialistas alegam que o HCE é tecnicamente menos seguro que um Secure Element Real: quanto mais um dado trafega pela Internet, mais fácil interceptá-lo. Dessa forma, o HCE inclui mecanismos de proteção que compensam essa vulnerabilidade – como por exemplo, utilizar chaves de pagamento de uso único.

Continua…

Agora você já conhece a “caixa preta” utilizada para armazenar dados de pagamento no seu celular. No próximo artigo, discutiremos como dispositivos Android e iOS usam sistemas de pagamento contactless  com o Secure Element. Também falaremos acerca do porque alguém simplesmente não armazena um cartão bancário em um smartphone sem intermédio do Apple Pay, Goole Pay, ou Samsung Pay.