18 de setembro de 2019

Crianças online: 93% dos pais brasileiros se preocu-pam com cibersegurança

Pesquisa global da Kaspersky mostra os impactos da falta de tempo para o diálogo adequado nas famílias sobre segurança na internet

Para 93% dos pais brasileiros, a cibersegurança das crianças é uma preocupação, segundo o recente estudo* realizado pela Savanta, empresa de pesquisa de mercado, a pedido da Kaspersky. Mesmo assim, os pais conversam com seus filhos sobre segurança na internet por apenas 46 minutos (média global) durante toda a infância delas. No Brasil, 62,6% dos entrevistados disseram que investiram menos de 30 minutos falando sobre o assunto, ou seja, metade do tempo de uma aula escolar padrão.

Entre as principais preocupações para os pais estão a privacidade e a segurança das crianças na internet . Ainda de acordo com a pesquisa da Kaspersky, 9 em cada 10 crianças com idades entre 7 e 12 anos têm um dispositivo smartphone ou tablet conectado à internet.

Em particular, quase 2 em cada 3 pais brasileiros (66,2%) concordam que os filhos passam tempo demais conectados, ou seja, além de trocar uma parte de suas infâncias para estar na frente da tela, elas também são continuamente expostas a diversos riscos.  

As ciberameaças mais perigosas, segundo a opinião dos pais, são o acesso a conteúdos impróprios como sexo ou violência (24%); ficarem viciados na internet (31,7%) e receber mensagens ou conteúdo de anônimos incentivando atividades violentas ou impróprias (15%).

93-percent.png

Para reduzir os riscos e explicar os perigos de navegar na internet, 75% dos pais brasileiros consideram ser uma responsabilidade conjunta deles e das escolas a instrução para as crianças sobre segurança online. Já a esmagadora maioria (95,5%) acreditam que os próprios pais têm melhores condições de fazer isso, já que, em geral, as crianças confiam mais neles.

Apesar de os pais admitirem sua responsabilidade na orientação de seus filhos, o tempo investido para nesta atividade é menos de uma hora. A pesquisa da Kaspersky explica este conflito, que se dá pela dificuldade dos pais em estabelecer um diálogo e que, ao tentar ter este tipo de conversa, eles encontraram os seguintes desafios:

  • Explicar as ameaças de maneira que as crianças consigam compreender (66,9%);
  • Fazer com que as crianças levem as ciberameaças a sério (43,6%);
  • Desencorajar as crianças de seguir e/ou dar-lhes confiança suficiente para não seguirem a pressão dos colegas (33,7%);

Em colaboração com a Kaspersky, Emma Kenny**, psicóloga renomada e conhecida pelo seu trabalho no programa This Morning, da ITV, no qual fornece consultoria especializada, comentou essas constatações. “Embora seja totalmente compreensível que os pais não queiram que os filhos tenham medo de usar a internet, é essencial que eles não adotem uma postura displicente em relação à cibersegurança. É fundamental ter equilíbrio, afinal, uma criança informada é uma criança segura”, afirma. “Ao falar sobre cibersegurança e como manter-se seguro na internet, os pais garantem que as crianças possam aproveitar sua vida online ao máximo e, ao mesmo tempo, ficarem despreocupados sobre o comportamento digital delas. As crianças precisam ser protegidas e os pais podem fazer isso. Primeiro, se informando sobre os sites que os filhos acessam, investindo tempo para ficar com elas enquanto navegam e, segundo, garantindo que tenham uma solução confiável capaz de evitar que as crianças se deparem com material inadequado ou ofensivo”, finaliza.

Ou seja, os pais precisam adotar abordagens verbais e mais pessoais para criar experiências mais seguras na internet, além de usar as ferramentas disponíveis para estabelecer esse diálogo.

Marina Titova, chefe de marketing de produtos ao consumidor da Kaspersky concorda com Emma.Infelizmente, temos de aceitar que a internet permite que as crianças encontrem conteúdos que não queremos que elas vejam. As questões de privacidade e segurança são hoje prioridades para os pais e sabemos como às vezes é difícil falar sobre o assunto com as crianças de maneira que elas escutem e não se afastem. Por isso, a Kaspersky está empenhada em apresentar soluções e recomendações, para garantir a segurança de toda a família.

Para ajudar os pais a proteger as crianças das diversas ciberamaeaças, a Kaspersky recomenda:

  • Se você sabe o que a criança está procurando online, ofereça ajuda e apoio, mas use as informações com cuidado;
  • Converse com a criança sobre o tempo que ela pode passar online e nas mídias sociais. Tente convencê-la a não acessá-las durante as aulas ou à noite;
  • Tente não limitar o círculo social da criança, mas a instrua a tomar cuidado ao escolher amigos e contatos;
  • Conte com a funcionalidade Família do Kaspersky Security Cloud. O serviço inclui o Kaspersky Safe Kids e ajuda a garantir a segurança de sua família e seus dados pessoais, além de proteger as crianças online e no mundo real.

Para saber mais sobre os riscos e ameaças mais comuns, relacionadas à cibersegurança das crianças, acesse o relatório completo.

Nota para editores

*A Kaspersky realizou o estudo com pais de crianças de idades entre 7 e 12 anos para investigar as tendências, práticas e desafios de mantê-las seguras na internet. Englobando quase 20 países em todas as regiões do mundo e quase 9.000 pais, foi explorado a maneira que os dispositivos conectados à internet estão sendo usados em casa, quais são as maiores preocupações em relação à segurança online e como os pais lidam com elas.

**Emma Kenny é psicóloga, apresentadora de TV, escritora e comentarista especializada em mídia, sendo hoje reconhecida como uma das principais especialistas em psicologia da TV no Reino Unido. Mais conhecida pelo seu trabalho no programa This Morning, da ITV, no qual fornece consultoria especializada sobre diversos problemas delicados. Emma é registrada na British Psychological Society e na British Association for Counselling and Psychotherapy e dá consultas de atendimento particular em sua clínica de terapia em Manchester. Para obter mais informações sobre Emma Kenny, visite https://www.ekenny.co.uk/