Após o anúncio da atualização da política de privacidade do WhatsApp – que condiciona o seu uso a uma autorização para compartilhar dados com os aplicativos do Facebook – usuários de todo o mundo começaram a migrar para outras plataformas de mensagem que prometem maior sigilo com os usuários. No último final de semana, por exemplo, o Signal teve o número de downloads disparados, especialmente depois que o empresário Elon Musk recomendou o uso do app em uma publicação no Twitter.

Mas o Signal é realmente mais seguro?

Como explica o Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky, para mensurar a segurança de um app, é necessário avaliar alguns quesitos. O primeiro deles é o uso do número do celular como credencial de acesso (ID). "Esta informação é praticamente pública hoje em dia, já que todos os membros de um grupo têm acesso ao nosso contato hoje. Além disso, esta informação pode estar disponível nas redes sociais, em sites e-commerce, cartão de visita e na agenda de diversas pessoas", afirma o especialista.

O segundo ponto para se considerar é a forma de autenticação. No caso do WhatsApp, ela é feita por SMS, o que permite interceptação ou roubo por meio de engenharia social, ou por SIM Swap, caso os usuários não ativem o recurso de dupla autenticação.

“Um aplicativo que priorize a segurança precisa de uma autenticação via ID único – sem se basear no número de telefone –, senha, implementação do segundo fator de autenticação, criptografia de ponta a ponta, e verificação da veracidade de contatos. Um bom comparativo para escolher um app de comunicação seguro é o Secure Messaging Apps Comparison (https://www.securemessagingapps.com/). Neste sentido, podemos afirmar que aplicativos como o Signal e o Threema oferecem mais recursos de segurança do que o próprio WhatsApp”, avalia Assolini.

Assolini reforça que o usuário sempre tenha muita atenção às ofertas gratuitas da internet: “Alguns apps de mensagens instantâneas oferecem modelos de negócios supostamente gratuito, mas, na realidade, o pagamento ou os lucros são gerados pelo consumo das informações pessoais dos clientes ou usuários desses programas ou plataformas. Por isso, quando escolhemos um programa de mensagens, devemos não apenas verificar se é um programa seguro, mas também se é privado, ou seja, se trata nossa privacidade de maneira adequada, não apenas segurança".

O especialista ressalta, porém, que nenhum aplicativo está inteiramente livre de possíveis ações contra a privacidade e o cibercrime. Ele explica que um motivo para o maior número de golpes sobre o WhatsApp é também a sua popularidade: os criminosos vão para onde está o maior número de potenciais vítimas. Por isso, não é de se estranhar que, com uma possível migração de usuários para outros apps de mensagens, os criminosos também virarão sua atenção para eles.

Por isso, o especialista recomenda que todos os usuários sempre tenham uma solução de segurança instalada em seus dispositivos, independentemente da promessa de segurança de qualquer companhia.

Sobre a Kaspersky

A Kaspersky é uma empresa internacional de cibersegurança fundada em 1997. Seu conhecimento detalhado de Threat Intelligence e especialização em segurança se transformam continuamente em soluções e serviços de segurança inovadores para proteger empresas, infraestruturas industriais, governos e consumidores finais do mundo inteiro. O abrangente portfólio de segurança da empresa inclui excelentes soluções de proteção de endpoints e muitas soluções e serviços de segurança especializada para combater ameaças digitais sofisticadas e em evolução. Mais de 400 milhões de usuários são protegidos pelas tecnologias da Kaspersky e ela ajuda 250.000 clientes corporativos a proteger o que é mais importante para eles. Saiba mais em https://www.kaspersky.com.br.

Saiu do WhatsApp? Veja quais recursos os especialistas da Kaspersky recomendam para um app de mensagens

Fabio Assolini analisa os aplicativos de mensagens que vem ganhando popularidade após atualização das políticas de segurança do WhatsApp
Kaspersky Logo