Skip to main
content/pt-br/images/repository/isc/2021/threat_intelligence_1.jpg

Inteligência de ameaças é o processo de identificar e analisar ameaças cibernéticas. O termo "inteligência de ameaças" pode se referir aos dados coletados sobre uma possível ameaça ou o processo de obter, processar e analisar esses dados para melhor compreender as ameaças. Inteligência de ameaças envolve peneirar dados, examinando o contexto para identificar problemas e implantar soluções específicas ao problema encontrado.

Graças à tecnologia digital, o mundo de hoje está mais interconectado do que nunca. Mas esse aumento de conectividade também trouxe um maior risco de ameaças cibernéticas como violações de segurança, roubo de dados e malware. Um aspecto importante da segurança cibernética é a inteligência de ameaças. Leia para descobrir o que é inteligência de ameaças, por que ela é essencial, e como aplicá-la.

O que é inteligência de ameaças?

Às vezes, a definição de inteligência de ameaças é confundida com outros termos de segurança cibernética. Mais comumente, as pessoas confundem "dados de ameaças" com "inteligência de ameaças", mas os dois termos não são iguais:

  • Dados de ameaças é uma lista de possíveis de ameaças.
  • Inteligência de ameaças abrange um cenário mais amplo – ao interrogar os dados e o contexto geral para construir uma narrativa que pode fornecer informações para tomada de decisões.

Essencialmente, a inteligência de ameaças permite que as organizações tomem decisões sobre segurança de forma mais rápida e informada. Ela encoraja comportamentos proativos, em vez de reativos no combate a ataques cibernéticos.

Por que a inteligência de ameaças é importante?

A inteligência de ameaças é uma parte crucial de qualquer ecossistema de segurança cibernética. Um programa de inteligência de ameaças cibernéticas, às vezes chamado de CTI, pode:

  • Evitar perda de dados: com um programa de CTI bem-estruturado, as organizações podem identificar ameaças cibernéticas e impedir que violações de dados liberem informações confidenciais.
  • Fornecer direção sobre medidas de segurança: ao identificar e analisar ameaças, CTI identifica padrões que os hackers usam e ajuda as organizações a implementarem medidas de segurança para protegerem-se contra futuros ataques.
  • Informar outras pessoas: os hackers estão cada vez mais inteligentes. Para acompanhá-los, os especialistas em segurança cibernética compartilham as táticas observadas em sua comunidade para criar uma base de conhecimento coletiva e combater os crimes cibernéticos.

Tipos de inteligência de ameaças

A inteligência de ameaças de segurança cibernética é frequentemente dividida em três categorias – estratégica, tática e operacional. Vejamos cada uma delas separadamente:

Inteligência de ameaças estratégica:

Geralmente, isso é uma análise de alto nível projetada para públicos não técnicos – por exemplo, o conselho de uma empresa ou organização. Ela abrange tópicos de segurança cibernética que podem afetar decisões de negócios mais amplas e analisa tendências gerais, bem como motivações. A inteligência de ameaças estratégica é frequentemente baseada em fontes abertas – o que significa que qualquer um pode acessá-la – como relatórios de mídia, white papers e pesquisas.

Inteligência de ameaças tática:

Focada no futuro imediato e projetada para um público mais tecnicamente competente. Ela identifica indicadores simples de comprometimento (IOCs) para permitir que as equipes de TI procurem e eliminem ameaças específicas em uma rede. IOCs incluem elementos como endereços IP incorretos, nomes de domínio mal-intencionados conhecidos, tráfego incomum, suspeitas de login, ou um aumento nas solicitações de arquivos/downloads. Inteligência tática é a forma mais direta de inteligência a ser gerada e é, geralmente automatizada. Frequentemente, ela pode ter uma vida útil curta, pois vários IOCs se tornam obsoletos rapidamente.

Inteligência de ameaças operacional:

Atrás de cada ataque cibernético, há "quem", "por que" e "como". A inteligência de ameaças operacional foi projetada para responder a essas perguntas estudando ataques cibernéticos passados e extraindo conclusões sobre a intenção, o momento e a sofisticação. A inteligência de ameaças operacional requer mais recursos do que a inteligência de ameaças tática e tem uma vida útil mais longa. Isso ocorre porque os perpetradores de ameaças cibernéticas não podem mudar suas táticas, técnicas e procedimentos (conhecidos como TTPs) tão facilmente quanto podem mudar suas ferramentas – como um tipo específico de malware.

Ciclo de vida de inteligência de ameaças cibernéticas

Os especialistas em segurança cibernética usam o conceito de um ciclo de vida em relação à inteligência de ameaças. Um exemplo típico de um ciclo de vida de ameaças cibernéticas seria envolver estes estágios: direção, coleta, processamento, análise, disseminação e feedback.

Fase 1: Direção

Essa fase foca em definir objetivos para o programa de inteligência de ameaças. Isso pode incluir:

  • Compreender quais aspectos da organização precisam ser protegidos e possivelmente criar uma ordem de prioridade.
  • Identificar qual inteligência de ameaças a organização precisa para proteger ativos e responder a ameaças.
  • Compreender o impacto organizacional de uma violação cibernética.

Fase 2: Coleta

Essa fase diz respeito à coleta de dados para ajudar nas metas e objetivos definidos na Fase 1. A quantidade e a qualidade dos dados são cruciais para evitar perder eventos de ameaças severos ou ser induzido a erro por falso-positivos. Nessa fase, as organizações precisam identificar suas fontes de dados – isso pode incluir:

  • Metadados de redes internas e dispositivos de segurança
  • Feeds de dados de ameaças de organizações de segurança cibernética confiáveis
  • Entrevistas com participantes informados
  • Sites e blogs de notícias de fonte aberta

Fase 3: Processamento

Todos os dados coletados precisam ser transformados em um formato que a organização possa usar. Diferentes métodos de coleta de dados exigirão vários meios de processamento. Por exemplo, talvez entrevistas humanas precisem ser verificadas quanto a veracidade e outros dados.

Fase 4: Análise

Depois que os dados forem processados em um formato utilizável, eles deverão ser analisados. Análise é o processo de transformar informações em inteligência que pode guiar decisões organizacionais. Essas decisões podem incluir se o investimento em recursos de segurança deve ser ampliado, se uma ameaça específica ou um conjunto de ameaças deve ser investigado, quais ações precisam ser tomadas para bloquear uma ameaça imediata, quais ferramentas de inteligência de ameaças são necessárias e assim por diante.

Fase 5: Disseminação

Depois que a análise for executada, recomendações e conclusões importantes precisam circular para os participantes relevantes na organização. Diferentes equipes na organização terão necessidades diferentes. Para disseminar inteligência de ameaças de forma eficaz, vale a pena indagar de qual inteligência cada público precisa, em qual formato e com qual frequência.

Fase 6: Feedback

Feedback dos participantes ajudará a melhorar o programa de inteligência de ameaças, garantindo que ele reflita os requisitos e os objetivos de cada grupo.

O termo "ciclo de vida" realça o fato de que a inteligência de ameaças não é linear, um processo único. Em vez disso, ela é um processo circular e interativo que as organizações usam para melhoria contínua.

threat-intelligence-2.jpg

Quem se beneficia da inteligência de ameaças?

Todos que têm um interesse em benefícios de segurança da inteligência de ameaças. Particularmente, se você estiver administrando uma empresa, os benefícios incluem:

Riscos reduzidos

Os hackers estão sempre procurando novas maneiras de penetrar redes corporativas. A inteligência de ameaças cibernéticas permite que as empresas identifiquem novas vulnerabilidades conforme elas surgem, reduzindo o risco de perda de dados ou interrupção das operações diárias.

Evitando violações de dados

Um sistema de inteligência de ameaças cibernéticas abrangente deve ajudar a evitar violações de dados. Ele faz isso monitorando domínios suspeitos ou endereços IP que tentam se comunicar com os sistemas da organização. Um bom sistema de CTI bloqueará endereços IP suspeitos – que poderiam, de outra forma, roubar seus dados – da rede. Sem um sistema de CTI implantado, os hackers poderiam inundar a rede com tráfego falso para executar um ataque distribuído de negação de serviço (DDoS).

Custos reduzidos

Violações de dados custam caro. Em 2021, o custo médio global de uma violação de dados era US$ 4,24 milhões (embora isso varie por setor – o mais alto era serviços de saúde). Esses custos incluem elementos como despesas jurídicas e multas, além de custos de restabelecimento pós-incidente. Ao reduzir o risco de violações de dados, a inteligência de ameaças cibernéticas pode ajudar a economizar dinheiro.

Essencialmente, a pesquisa de inteligência de ameaças ajuda uma organização a compreender riscos cibernéticos e quais etapas são necessárias para mitigar esses riscos.

O que procurar em um programa de inteligência de ameaças

O gerenciamento de ameaças exige uma visão de 360 graus de seus ativos. Você precisa de um programa que monitore atividades, identifique problemas e ofereça os dados necessários para tomar decisões informadas para proteger a sua organização. Aqui está o que procurar em um programa de inteligência de ameaças cibernéticas:

Gerenciamento personalizado de ameaças

Você quer uma empresa que acesse seu sistema, identifique pontos fracos, sugira proteções e monitore ele ininterruptamente. Vários sistemas de segurança cibernética reivindicam isso, mas você deve procurar um que possa ajustar uma solução às suas necessidades específicas. A cibersegurança não é uma solução única para todas as situações; portanto, não se contente com uma empresa que oferece apenas isso.

Feeds de dados de ameaças

Você precisa de um feed atualizado de sites que estejam em uma lista de negação, além de atores mal-intencionados que demandem atenção.

Acesso às investigações

Você precisa de uma empresa que ofereça acesso às investigações mais recentes que mostram como os hackers entram, o que eles querem e como conseguem isso. Com essas informações, as empresas podem tomar decisões mais informadas.

Soluções reais

Um programa de inteligência de ameaças cibernéticas deve ajudar sua empresa a identificar ataques e mitigar riscos. O programa deve ser abrangente – por exemplo, você não quer um programa que apenas identifique possíveis problemas e não ofereça soluções.

Em um cenário de ameaças em contínua expansão, ameaças cibernéticas podem ter várias consequências para a sua organização. Mas com uma inteligência de ameaças cibernéticas robusta, é possível mitigar os riscos que podem causar danos à reputação e financeiros. Para permanecer à frente de ataques cibernéticos, solicite acesso de demonstração ao portal de Inteligência de ameaças da Kaspersky e comece a explorar os benefícios que ele pode fornecer à sua organização.

Produtos recomendados:

Mais leitura:

O que é inteligência de ameaças? Definição e explicação

Inteligência de ameaças são informações que você pode usar para determinar ameças atuais ou futuras. Compreenda as ferramentas de inteligência de ameaças, os tipos de inteligência de ameaças e o ciclo de vida de inteligência de ameaças.
Kaspersky Logo